Deixa-me Ser

Resenha: Uma Prova de Amor – Emily Giffin

Uma-Prova-de-Amor-capaTítulo: Uma Prova de Amor

Autor: Emily Giffin

Editora: Equipe Novo Conceito

Número de páginas: 410

Ano de publicação: 2013

Sinopse: Primeiro vem o amor, depois o casamento e depois… os filhos. Não é assim? Não para Claudia Parr. A bem- sucedida editora de Nova York não pretende ser mãe e até desistiu de encontrar  alguém, mas, então, ela conhece Ben. O amor dos dois parece ideal. Ben é o marido perfeito: amoroso, companheiro e – assim como Claudia – também não quer crianças. No entanto, o inesperado acontece: um dos dois muda de ideia a respeito dos filhos. E, agora, o que será do casamento dos sonhos? Uma Prova de Amor é um livro divertido e honesto sobre o que acontece ao casal perfeito quando, de repente, os compromissos assumidos já não serve mais. Contudo, é também uma história sobre como as coisas mudam, sobre o que é mais importante, sobre decisões e, especialmente, sobre até onde se pode ir por amor.

Uma Prova de Amor, foi o primeiro contato que tive com a autora Emily Giffin. Li em outros blogs sobre ela e seu modo de escrever realista e posso dizer agora,  como primeira impressão Emily é fantástica. Não tenho muita experiência com seus livros e já de cara gostei da história a respeito de ter ou não filhos, certa situação que me encontrei em tempos há atrás (só pra esclarecer: eu não tenho filhos ainda..). E que por fim acabou me ajudando muito com alguns medos e receios que eu tinha sobre o assunto, mesmo com os finais diferentes! Seus personagens são muito verdadeiros, com problemas a resolver, qualidades e defeitos, erros e acertos  e um turbilhão de emoções. A história é bem real  e qualquer pessoa que tenha passado por problemas parecidos com os de Claudia ou de outros personagens do livro, com certeza  vai se identificar com o desfecho.

Mas vamos lá, o livro conta sobre um casal… Claudia Parr e Ben. Claudia  tem 31 anos, é uma editora que desde de pequena já havia tomado uma importante decisão: não ter filhos. Conforme ia crescendo e vivendo sua infância, adolescência e juventude, sentia-se determinada cada vez mais em relação ao seu veredito. Os meninos e homens em que tinha relações amorosas com Claudia, no decorrer de sua vida, achavam meio estranho sua visão sobre filhos e por terem a opinião diferente, acabavam se afastando.  Isso aconteceu com tanta frequência, que Claudia desiste de procurar alguém para partilhar e viver os resto de seus dias. Então, certa vez, num encontro marcado por amigos, Claudia conhece Ben, que a princípio se dão muito bem e logo em seguida descobre que Ben pensa da mesma maneira e também não quer ter filhos. A partir daí, começa o relacionamento dos dois. Ben é um marido que nas palavras de Claudia, parece ser sua alma gêmea, com grandes afinidades, coisas em comum.

Mas… e quase sempre tem um mas! Ben começa a contrariar Claudia a respeito de algumas coisas, como crianças.  Depois de 2 anos de  casado, Ben resolve mudar de ideia, isso acontece porque Annie e Ray o mesmo casal que os apresentou no encontro,  anuncia a chegada  de um bebê. Ben e Claudia estão sempre próximos a esse casal, acompanhando alguns passo da gravidez de Annie e nascimento de Raymond.Jr. Isso faz com que Ben comece a pensar nas possibilidades, argumentando e pressionando Claudia todo o tempo para terem um filho. Apesar do impasse, eles tentam levar o casamento como se nada fosse por mais algum tempo. Ben acha que Claudia irá ceder e Claudia acha que Ben irá mudar de ideia e sua vontade é  algo passageiro. E não é nenhuma das duas coisas que acontece! Eles se divorciam, devido a brigas frequentes,  e interesses diferentes. Cada um vai para o seu lado, os dias vão passando e mesmo os dois sentindo falta e saudade um do outro, nenhum da o braço a torcer.  O que acontece?

Claudia decide passar na frente do antigo apartamento em que moravam e vê Ben fazendo sua caminhada da tarde com outra mulher e na cabeça de Claudia, ela presume que Ben está saindo com essa tal mulher! Sentindo-se muito ofendida, traída, decepcionada Claudia decide de uma vez colocar um ponto final nessa história, seguindo de uma vez por todas em frente. Para esquecer Ben, Claudia começa a sair com  um cara do seu trabalho: Richard, um cara solteirão e uns 10 anos  mais velho que ela, que não tem filhos, não pretende ter no momento e nunca foi casado. Desse momento em diante Ben não aparece mais no livro, a não ser quando Claudia o procura ou em telefonemas quando um dois dois ligam e a conversa é bem curta. O que aparece na cena, é  o caso de  Richard e Claudia. Os dois saem juntos e dormem juntos, mais de uma ou duas vezes. Claudia começa a perceber coisas no seu caso com Richard, começa a ver que não é isso o que ela quer e que nem está apaixonada por ele. E  aí.. vocês vão ter que ler o livro para saber o final! Haha como sou má!

Pausa para opinião da blogueira (contando um pouco da minha vida):

Bom, eu acho que ninguém é obrigado a nada nesse mundo. Se quer fazer faz, se não quer não faz, e ninguém precisa justificar nada. No meu primeiro namoro, tive uma situação parecida com a da protagonista e só quem passou por algo parecido sabe o quanto é chato as cobranças dos pais, familiares e amigos do seu namorado apoiando e dizendo que você tem que ter filhos porque estão velhos e querem um netinho e blá blá blá, coisas desse tipo.  Isso realmente é um saco! Hoje eu já penso um pouco diferente, e planejo algumas coisas para o meu futuro sim,  eu estou namorando pela segunda vez e assim como Claudia acho que achei a tampa da minha panela. Hahaha!                        

Até aí eu era a favor de Claudia, apoiava sua decisão de não querer filhos, mesmo ela achando que isso iria interferir na sua carreira, seus objetivos e sua vida com Ben. Aí então ela começa a sair com outro cara,  eu nunca me dei certo com triângulos amorosos que duram por tempos.  Eu sei que Claudia, Richard e Ben não eram um triângulo, sei também que Claudia não teve uma atitude tão errada assim perto de pessoas que traem e escondem isso, pois no momento ela não era mais casada com Ben. Mas caramba! Ela foi muito precipitada! Se você ama o cara de verdade, acha que ele possa ser sua alma gêmea, vocês já tem um bom tempo juntos. Conhecem manias e coisas do tipo.. você não termina e já sai com alguém para esquecer a não ser que tenha certeza ABSOLUTA do que quer de verdade e Claudia não tinha essa certeza! No livro Claudia diz o tempo todo que ama Ben, que ele é tudo na vida dela, e mesmo assim por achar que Ben não se importava, botou os pés pelas mãos e começou a sair com outro cara.   Como eu sei o final do livro, acho que nesse ponto ela agiu totalmente errado! E não gostei mesmo, de algumas atitudes que teve. 

Continuando…

O que eu não contei ainda, é que foquei mais nos relacionamentos de Claudia com Ben e Richard. Claudia tem uma melhor amiga chamada Jess, desde de os tempos  da faculdade, que a ajuda muito. Jess vive desesperadamente atrás de um alguém para casar-se e ter um filho, já que a idade está batendo a sua porta. Ela começa a sair com Tray, casado, galinha, com filhos, vive uma vida dupla e enrola Jess o tempo todo, diz que vai se separar para ficar com ela.  Duas irmãs e ambas enfrentam problemas: Maura tem três filhos e um marido que traiu ela e pelo que sei não pretende parar. Daphne sua outra irmã casada com Tony, tenta ter um filho á um bom tempo e vive em função de achar maneiras de seu grande sonho se tornar realidade. Uma mãe divorciada de seu pai por causa de traição, uma mãe nada amorosa que deixou Claudia e suas irmãs morando com o  pai e foi atras de sua paixão. (Dizem, que Claudia não quer ter filhos por causa de traumas e a relação complicada que tem com sua mãe, ela  tem receio de ser uma mãe como a sua, aí, paira a duvida.)

Já deu pra perceber que esse livro tem muita história pra contar,  com todos esses personagens, seus problemas, pertubações e impasses. Cheio de emoções, tem situações bem reflexivas e é claro que eu recomendo!

Classificação: Modelo1-3 

Comentários do Facebook
Resenha: Não se apega, não – Isabela Freitas
Resenha: Carta de Amor aos Mortos – Ava Dellaira
Resenha: Talvez não tenha criança no céu – Davi Boaventura

Blue Captcha Image
Atualizar

*

8 comentários
  • Vitor Dilly

    Oooii! Tudo ótimo, e contigo?

    Pois logo que vi tua sugestão, do Adultério, obtive o livro e já estou lendo, a 28% de andamento. Em breve, comento o que achei lá no post destinado a ele, com o meu ponto de vista em contraponto à tua análise, logo mais… Já posso adiantar que estou gostando. É uma leitura muito mais leve do que a que estou acostumado (que são muito mais densas).
    Grato pela dica! (E pelo retorno de Saturno…hehe) 🙂

    Quanto ao que te perguntei dos e-books…é que tenho uma curiosa-curiosidade em saber se, por livre e espontânea vontade, gostaria de conhecer um tal "livro musical" 9 meses antes do lançamento agendado? Um épico canoro com quase 120 músicas mescladas à prosa, em mais de 1000 páginas (só se quiser e puder, sem compromisso)…
    Livro musical…Hummm. Foi você que cunhou o termo, e esse mérito ninguém tira de ti! heheh 😉

    Responder
    • Ianca

      Oii!
      Me desculpe os críticos mas Paulo Coelho é demais!
      Sou suspeita para falar!
      E você por um acaso não gostaria de me indicar alguma coisa de Fantasia? Ou algo do tipo?
      Sinto que ultimamente estou tendo dificuldades para me envolver nas histórias de romances, quero dar uma mini pausa nesse estilo literário.

      Quanto ao livro musical.. claro!
      Se o problema for e-books posso dar um jeito! É só imprimir! Haha
      ^-^

      Responder
      • Vitor Dilly

        Ooiii!
        Bom, se eu curti o Adultério, devo curtir os outros, que devem ser ainda melhores… Vou conferir, e para tal, ainda quero me apoiar em sugestões tuas… Quem sabe não me torne um fã como você?
        Realmente, por acaso, tenho uma indicação. Um livro cuja autora citei no questionário. É a Ayla, a Filha das Cavernas, da Jean Auel, um "realismo fantástico", talvez. É fantástico, pois se ambienta há uns 35 mil anos atrás, e é bastante realista, já que a autora se puxou nas pesquisas pré-históricas. Faz parte de uma saga de 6 volumes (li até o quinto). O primeiro volume é ótimo além da conta, já os outros nem tanto assim – pois muitas questões não são respondidas. Mas vale muito a pena conhecer ao menos o primeiro, se quer sair de tua zona de conforto.
        Quanto ao livro musical…que ótimo. 🙂 Você vai receber a visita de TODOS os personagens muito em breve… E nesse, tem um pouco de tudo – fantasia, ficção científica, romance, drama, horror… Prosa e músicas! Se quiser imprimir, pode, mas é por tua conta e risco, hehe, pois são mais de mil páginas, tu já sabes! 😛
        Serás, possivelmente, a primeira leitora – o que me deixa imensamente feliz e grato! 😀

        Responder
        • Ianca

          Oi..provavelmente são!
          Seria interessante, verei mais a respeito.
          Olha desse jeito já estou ansiada para ler. No aguardo..
          Nossa mil páginas?? Pública logo esse livro!!
          Primeira leitora?? Que honra! Haha

          Responder
  • Vitor Dilly

    Oiii!
    Por nada! Eu que agradeço pela resposta 🙂

    Ela traiu? Que feio, que feio…Tsc, tsc, tsc… Não pode, não, Claudia! Não podia ter feito isso! 😛

    Realmente, livros de romance não leio – acho que nunca li nenhum. Meus preferidos são os de fantasia e FC – em alguns até tem uma pitada de romance. Mas a maioria fala de poder e vingança, aquela coisa… Acabei de terminar, agora mesmo, um deles: o Fúria Vermelha. E pensei: o que ler agora? Lembrei que me deste uma resposta, aqui mesmo, e voei pra cá!

    E então? Por quê não começar a leitura de um livro de amor? Sair da zona de conforto? Acho que vou arriscar! Sim, vou!

    Para começar, você sugere/recomenda fortemente o supracitado "Não se Apega, Não"? Se sim, vou conseguir em formato digital.

    Falando nisso, você gosta de ler e-books? Eu virei grande adepto, é muito prático. Fica aí a dica! 😉

    Todos os dias, uma prova de amor? Muito amada, que tu és! Muito bom ^^

    Responder
    • Ianca

      Oi! Td bem?
      É na verdade pra quem não gosta de romance acho que Uma Prova de Amor, não seria uma boa..
      Talvez Adultério de Paulo Coelho.
      Não se apega, não para você??
      Huuum.. Acho que não também!

      Não tenho tanto tempo para ler, mas quando leio prefiro o livro em mãos mesmo.
      Através de e-books, me canso muito e me falta concentração, mas é algo que pretendo praticar mais com o tempo.

      Responder
  • Vitor Dilly

    Olá Ianca! Esta é a 1ª resenha sua que tenho a oportunidade e o prazer de ler e comentar.

    Parabéns! Ficou claríssima – só fiquei confuso lá no meio de campo, mas somente por causa do relacionamento dos personagens – pois este ficou embolado, pra minha mente pouco dada a essas coisas heheh!

    Gostei do título do livro.
    Como diz aquela música, não existe o amor, apenas provas de amor.

    Aproveito o espaço e o tema para lhe desejar muito sucesso na sua citada jornada, na busca pela tampa de sua panela – que ela se ajuste sem arranhar, é o que desejo…

    (Está se ajustando?)

    Já eu, busco a sintonia de dois corações conectados, parceiros, simples assim:
    <3 – <3.
    Ele escreve um poema, ela publica; ela pede revisões, ele faz – porque querem se ajudar e porque podem se ajudar. Coisas assim. Entrega e receptividade mútua assegurada por convicções absurdamente ABSOLUTAS.
    E ponto.

    (Será que encontraremos provas de amor tão simples como essas?…Algum dia…)

    😉

    Responder
    • Ianca

      Oii!
      Obrigada!

      Bom, vamos esclarecer.. resumindo o que aconteceu mesmo, foi que a personagem Claudia traiu seu namorado! Que lindo não?! (É CLARO QUE NÃO!) Haha!
      Mas essa não deve ser bem a sua dúvida. Também achei meio confuso. De qualquer forma, (não deve ser o seu tipo de leitura preferido, acho eu..) vale a pena conferir. Leia..

      Quanto a tampa da panela, está se ajustando sim! Mas já saí dessa, o que coloquei na resenha, era mais para as pessoas entenderem, sendo que a maioria delas pensam assim. Agora vou concordar com você, sobre a opnião em buscar a sintonia de dois corações. Penso que deve ser quase ou exatamente assim! É aquela velha história: "Quem é inteiro não precisa procurar pela sua metade".(Li no livro: NÃO SE APEGA, NÃO).

      Sobre as provas de amor, é possível sim, quase certo! Acredito..
      No meu caso, tenho várias delas todos os dias! ^^

      Responder