Deixa-me Ser

Resenha: Não se apega, não – Isabela Freitas

untitledTítulo: Não se apega, não

Autor (a): Isabela Freitas

Editora: Intrínseca

Número de Páginas: 254

Anos de Publicação: 201

Sinopse: Desapegar: remover da sua vida tudo que torne o seu coração mais pesado. Loucos são os que mantêm relacionamentos ruins por medo da solidão. Qual é o problema de ficar sozinha? Quem me desculpe o criador da frase "você deve encontrar a metade da sua laranja". Calma lá amigo. Eu nem gosto de laranja. O amor vem pros distraídos. Tudo começa com um ponto-final, a decisão de pôr fim ao namoro de dois anos com Gustavo.  As amigas acharam que Isabela tinha enlouquecido, porque, afinal de contas, eles formavam um casal PERFEITO! Mas por trás das aparências existia uma menina infeliz, disposta a assumir as consequências pela decisão de ficar sozinha. Estava na hora de resgatar o amor-próprio, a autoconfiança e entrar em contato com seus próprios desejos. Fácil falar, mas, atrapalhada do jeito que é, Isabela primeiro precisa lidar com o assédio de um primo gostosão, com as tentações da balada e, principalmente, entender que príncipe encantado é artigo em faltar no mercado. Isabela Freitas, em seu primeiro livro, narra os percalços vividos por sua personagem para encarar a vida com leveza e não se apegar ao que não presta, ainda assim, preservando seu lado romântico.

Isabela Freitas, tem 24 anos, é blogueira com mais de 60 milhões de visualizações desde quando começou em 2011. Seu primeiro livro "Não se Apega, Não" é publicado em 2014 e como bem sabemos, foi um sucesso com meninas, adolescentes e jovens de todas as idades.

O assunto centra do livro, é a história de uma personagem com as mesmas características da autora, entre elas: o nome, lugar onde mora, faculdade e por aí vai.. mas como a própria autora revela:

"O livro é uma narração com adaptações, alguns acontecimentos são reais outros não, isso vale para personagens, ambientes, situações do livro…"

Quem leu, sabe do que quero dizer e quem não leu ainda, fica a dica: Muitos leitores, fizeram confusão e criticaram por não gostarem do livro, nessas perspectivas de que a autora não era a personagem á risca do livro e sim com pontos em comum. Existiam duas Isabelas: a personagem perdida e embaraçada e a autora bem resolvida e cheia de lições, o que dava um toque contraditório na leitura e deixa os leitores se perguntando: What?!

Outra ideia do livro, além de contar a vida amorosa da protagonista, era auxiliar, ajudar pessoas que se identificassem com as experiências relacionado ao desapego. O livro não vai apontar só sobre relacionamentos, o desapego presente, é saber se desprender de sentimentos, círculos viciosos e vínculos com pessoas que nos prejudicam e interferem na nossa felicidade.2016-04-26 01.13.16_resized

Vamos ao que interessa:

Isabela, (a personagem), aos 22 anos, após terminar seu namoro de 2 anos com Gustavo, (um moleque arrogante e de aparências), passa por dificuldades e se depara com uma série de superações que precisa encarar para dar continuidade a sua vida. Isa é uma mulher que se faz de durona e sonha com o amor, como se sua vida fosse um conto de fadas, passou anos acreditando que seu príncipe encantado chegaria um dia e viveriam felizes para sempre, mas não é bem assim que a banda toca, Isabela entra numa missão nada fácil de se livrar de males que fazem adoecer seu coração. Falsos amigos, paixões, decepções, mágoas.. Tudo isso é necessário para que ocorra uma mudança de pensamentos e mais tarde, engrandece a personagem para que se torne uma pessoa melhor para ela mesma.

Ok! Quando a personagem dá a notícia para suas amigas, elas ficam horrorizadas, aos olhos dos que faziam parte da vida da garota, Isabela e Gustavo eram um casal perfeito, feitos um para o outro. A verdade é que Isa viva colecionando decepções e sentia-se infeliz. Pensando estar com a cabeça no lugar, parte para uma fase nova: sua vida de solteira, e a princípio,  – Não deve ser tão difícil assim né?

Para alguns seres humanos isso era fichinha, mas não para a protagonista, que tinha muita dificuldade em ficar sozinha e estava sempre namorando um menino ou outro. Depois de ir para a primeira balada pós-término de namoro, começa cair a ficha de que será um longo caminho enfrentar alguns obstáculos. Seus amigos Pedro e Amanda vão ter um papel fundamental, serão eles que irão ajuda-la a passar por essas fases e crises que levarão a personagem a olhar para si mesma. É a partir daí que dedica um tempo para seu eu interior e começa a praticar alguns itens como o amor-próprio, a autoconfiança, honestidade, realização pessoal e felicidade, e deles podemos tirar grandes lições.

Isa na sua jornada, vai quebrar muito a cara, e vai se surpreender com as pessoas tanto as que lhe fizeram mal ou bem. É uma sequência de acontecimentos e enfoques que a autora vai abordar no livro. Vai surgir um pouquinho de cada coisa, as incertezas de qual faculdade cursar, a família, os amigos, histórias de infância e da escola, tudo com relação a vida de Isabela. No fim percebemos que todos passamos por situações assim, de alguma forma, todos estamos em uma constante transformação de convicções, conceitos, de opiniões e mudamos de ideais a toda hora. Sem mudança não há novos horizontes e sem sofrimento não há crescimento.2016-04-26 01.09.54_resized

Quando comecei ler o livro, devo admitir que não estava gostando e julgava essa tal de Isabela Personagem a todos momento. Eu não consegui entender algumas atitudes imaturas que ela tinha. Depois de ler a última página, me peguei pensando que seria difícil fazer  resenha, quando a gente não vai muito com a cara do livro ou personagem. Fiquei surpresa, pois foi ao longo da resenha que tive reflexões e me vi na personagem em muitos momentos da vida. Talvez na fase mais adolescente, momento que tudo parece ser o fim do mundo. E para finalizar digo que, não podemos  julgar e nem temos esse direito de condenar algumas pessoas ou atitudes que do nosso ponto de vista, não erram corretos. Nunca saberemos os motivos para tal feito e afinal quem nunca errou que atire a primeira pedra?!! Não somos perfeitos!

Aaah! Quase ia me esquecendo, o livro é narrado em 1° pessoa, é uma leitura muito rápida e de fácil entendimento, a parte estética do livro é delicada e lindíssima, sem contar que a autora usou o humor para escrever a história o que descontraí bastante para quem não têm paciência para crises, exageros e dramas.

Quotes:

..Se você se apega muito ao passado, está destinado a revivê-lo todos o2016-04-26 01.10.21_resizeds dias…

"A hora preferida do amor é não ter hora alguma."

"Ter a urgência de ser feliz te impede de ser realmente feliz. Deixe que a vida aconteça, porque ela acontece quando estamos distraídos demais para planejá-la."

"O mundo gira. Nenhuma tristeza é tão eterna que não deixa um espacinho para a felicidade."

Só é feliz a dois, quem é feliz sozinho.

Nem me apaixonar, nem me decepcionar. Eu só queria uma certa calmaria antes que viesse uma nova tempestade. Porque você sabe, elas sempre vêm.

Eii, além de comentar, agora você pode avaliar meus posts e resenhas, logo abaixo. Sintam-se em casa..

Beijokas e até a próxima! 😉 

Classificação:  Modelo1-4

Comentários do Facebook
5
0
Desafio Literário – 2017
Livros de Janeiro – 2016
Resenha: Carta de Amor aos Mortos – Ava Dellaira

Blue Captcha Image
Atualizar

*

1 comentário
  • Vitor Dilly

    Ooii! Bela avaliação. 🙂

    Como vejo o tópico abordado no título: as pessoas querem ser vistas com outras pessoas, sim! Gostamos de "colecionar gente" para chamar de amigos (as), namorados (as) etc…

    Se inauguramos uma família é pelo mesmo motivo: "acumular pessoas" ao nosso redor, e formar a nossa "coleção particular de gente", comumente chamados de filhos, netos, primos…

    Porque o fazemos? Tememos a solidão?

    Deixemos disso, deixemos de medo: nós nascemos e morremos sozinhos, e somente sozinhos podemos nos formar e nos transformar. Desapego é libertação.

    (Essa é minha opinião, acredito muito no poder do indivíduo, de cada indivíduo fazendo a diferença, fazendo a sua parte, sem chamar muito a atenção pra si. Famílias mal-estruturadas, grupos, massas, podem desequilibrar drasticamente o delicado equilíbrio do mundo – como a história já mostrou).

    Responder

Acompanhe as novas postagens do blog por e-mail!