Deixa-me Ser

Resenha: Adultério – Paulo Coelho

capa-do-livro-adulterio-de-paulo-coelho-1397529457504_300x420Título: Adultério

Autor: Paulo Coelho

Editora: Sextante

Número de páginas: 239 

Ano de publicação: 2014

Sinopse: Linda tem 31 e, aos olhos de todos, sua vida é perfeita: ela mora na Suíça, um dos países mais seguros do mundo, tem um casamento sólido e estável, um marido amoroso, filhos doces e bem-comportados e um emprego como jornalista do qual não pode se queixar. No entanto, ela começa a questionar a rotina e previsibilidade de seus dias. Já não consegue suportar o esforço que precisa fazer para fingir estar feliz quando na verdade o que sente pela vida é uma enorme apatia. Tudo isso muda quando ela encontra um ex-namorado da adolescência. Jacob agora é um político bem-sucedido e, durante uma entrevista, acaba despertando algo que havia muito ela não sentia: paixão. Agora ela fará de tudo para conquistar esse amor impossível, e terá que descer até o fundo do poço das emoções humanas para enfim encontrar sua redenção.

                       

Bom.. vamos lá..

Linda tem 31 anos, é uma jornalista conceituada de um respeitável jornal em Genebra. É casada com um homem perdidamente apaixonado por ela, dono de um fundo de investimentos, onde todo o ano entra na lista das 300 pessoas mais ricas da Suíça. Tem dois filhos que “são sua razão de viver”, se veste com as melhores roupas, no final do ano, viaja nas férias para lugares paradisíacos. Os homens sentem desejo por ela e as mulheres inveja. Depois de ter entrevistado um escritor que lhe diz o seguinte: “Não tenho o menor interesse em ser feliz. Prefiro viver apaixonado, o que é um perigo, pois nunca sabemos o que vamos encontrar pela frente.”, Linda começa a se questionar e se sentir culpada por ter mais do que merece.  Tudo esta em ordem em sua vida: família, emprego…  Linda acaba se dando por conta, que depois que casou, não corria risco nenhum e o tempo havia parado. Sempre procurou fazer as coisas com eficiência, não dava nenhum passo em falso, tinha um grande medo de que tudo mudasse de uma hora pra outra e fosse pega desprevenida. A rotina e o tédio estavam sempre presentes.

A partir daí muitas perguntas surgem como: se seria capaz de enfrentar o mundo sozinha caso seu marido morresse ou então se ela morresse quem cuidaria de seus filhos? À medida que respondia todas as suas dúvidas, mais perguntas surgiam, até chegar á um ponto em que achava ótimo não haver brigas por ciúmes, mas percebeu que isso não passava de total falta de amor, tanto de sua parte como de seu marido. Quando todos vão dormir sua vida perfeita desaparece e demônios lhe assombram, ninguém vê que tudo a apavora: o amor e a falta dele, a morte, a vida e o terror de que todas as novidades estão virando hábito. A impressão que tem é de estar perdendo tempo de sua vida, enquanto a rotina se repete até a chegada de sua morte e ao mesmo tempo, tem um enorme pânico de se aventurar e enfrentar o desconhecido. Os dias vão passando e o seu entusiasmo pelas coisas vai sumindo, a sensação de estar se distanciando de si mesma cresce e começa a pensar que esta entrando em depressão. Resolve conversar com uma amiga que enfrentou o mesmo problema, e acaba por não melhorar muito seu estado, pelo contrário sente ter piorado. O clímax chega quando Linda vai entrevistar um politico chamado Jacob Koning, um ex-namorado do ensino médio. Logo de cara depois da entrevista, mais que beijos são trocados. Algo é despertado e a personagem não se arrepende do pecado. Um novo encontro é marcado, almoço simples, nada demais. Até que após conversarem, Linda é tocada com a seguinte pergunta feita por Jacob: – Você é feliz? Isso a deixa intrigada e a faz refletir, agora ela tem um problema de verdade: um coração apaixonado.

Jacob também é casado, com uma professora de Filosofia, que o ajuda muito na carreira politica. Os dois se identificam, Linda vê em Jacob um homem desgastado pelo trabalho, triste por não poder viver a sua maneira e a vontade. E Jacob vê em Linda, uma mulher confusa e infeliz, com receio de se arrepender de tudo o que ela pensava em ser bom para sua vida. Muitas surpresas surgem no livro seguido de mais dois ou três encontros em restaurantes juntos. E o que acontece ali, faz Linda lutar ainda mais por Jacob. Ela não quer aceitar que esta apaixonada e nem tem certeza disto também. Até se encontrar com a esposa de Jacob, uma mulher inteligente e segura de si. Isso faz com que Linda sinta-se desafiada, e caí na realidade de que, o que lhe faltava eram aventura e paixão. Assim se faz decidida a dar o seu amor não correspondido a quem ela quiser. Linda tem ideias absurdas para conquistar Jacob que a essa altura não demonstra nenhum interesse para não comprometer sua vida politica, como armar uma estratégia para Mariane, mulher de Jacob. O plano não da certo e Linda procura ajuda de especialistas e psicólogos para ajudá-la com sua sede de vingança. Não se convence, deixa de lado e vai à procura de algo mais original. Um xamã ao qual realmente lhe ajuda de verdade. Jacob manda uma mensagem para Linda, quer revê-la e é nessa parte do livro que tudo se desencadeia tornando mais claro para a personagem o que a deixava confusa e insegura. Obvio que não darei mais detalhes, para isso terá de ler o livro e descobrir o final da história, que nos traz uma mensagem muito profunda sobre esse tema conhecido como adultério.

Obs.: Gente!! Vocês não tem noção de como o final do livro nos toca. Eu senti raiva, dúvidas, refleti, pensei na vida principalmente no ato em sim de trair, tentei me colocar no lugar de Linda e do marido dela. Leia esse livro, mesmo se vocês não gostarem muito da personagem ou então do contexto, seja lá o que for, mas leiam! O final é emocionante e a mensagem sobre o amor que traz, pode não ser a mais certa de todas, mas é linda demais!

Minha opinião:

Bom, a primeira vez que li o livro, posso dizer que se fosse para dar uma nota de 1 á 10, minha nota seria um 9, eu tinha adorado o livro, achei super legal o tema infidelidade ser declarado assim de cara. Já quando peguei o livro para reler, minha nota havia decaído para um 6, 7. Não que eu não tenha gostado, pelo contrário, é um livro show de bola, mas reformulei alguns conceitos. Não sei se foi por causa de ter lido em fases diferentes, mas a verdade é que estamos mudando constantemente. A linguagem do livro é bem fácil de entender, a capa então nem se fala, amei! Tive um pouco de dificuldade para escrever sobre minha opinião em relação ao livro. Fiquei tri confusa por em partes concordar, mas era só virar a página e achava um absurdo algumas coisas. É mais ou menos o que acabei de dizer, tive certa barreira ali no meio que me impedia de formular direito minha opinião.

Pontos Positivos:

  • Sabemos que traição é um tema muito atual e antigo! Para a maioria, é considerado um dos piores pecados que se possa cometer, já para outros é algo normal ao qual estamos sujeitos a enfrentar em qualquer período de nossas vidas. É um assunto muito falado atualmente, eu tenho minha opinião em particular sobre adultério, mas creio que a gente tem que ter uma mente muito aberta, para poder apontar se é certo ou errado. Foi muito legal a iniciativa de Paulo Coelho com o tema do livro, deve ter vários livros semelhantes ou com o mesmo assunto, mas o modo como foi abordado e como a história de desenvolveu ficou bem interessante, criando vários prós e contras no pessoal que leu.
  • A crítica que a personagem faz sobre a sociedade hoje em dia, estamos na era da informação, as pessoas tem uma grande necessidade de mostrar uma vida que na verdade não é a realidade. Preocupamo-nos demais com o que outros vão pensar, e isso interfere muito, de modo que passamos a manter coisas somente para ter status.  Vivemos numa bolha fechada, e a falta de interesse em se preocupar com o próximo aumenta cada vez mais. Linda está sempre observando as pessoas a sua volta, e se pararmos para fazer o mesmo, percebe-se que está certa, o imediatismo de que tudo seja resolvido na hora, a falta de compreensão em entender os problemas do nosso semelhante, a paciência que pouco praticamos, viver numa sociedade que esta o tempo todo nos julgando, e dizendo como devemos ser como devemos nos vestir, o que devemos comer e beber, como devemos nos comportar, falar e agir é muito complicado e a carga disso pesa em alto grau, causando problemas graves, como depressão, o bullyng, as más impressões, desrespeito, são infinidades de fatos que estão relacionados há esse século que vivemos. Achei muito legal, e compactuei bastante com as ideias e opiniões que Linda tinha a respeito do mundo.
  • Outro ponto positivo foi o momento difícil que a personagem se encontrava, como nós seres humanos, somos fracos e temos essa necessidade de sempre buscar alguma coisa que nos preencha por completo. A falta de amor próprio e confiança. Isso são coisas muito complexas de serem discutidas, por que não sabemos o dia de amanhã e o que aconteceu para você hoje pode acontecer para mim amanhã, e não venha me dizer que não, porque a vida esta a todo instante nos dando lições e parece que fica mais difícil de aprender.  É incrível como existem fases de nossas vidas em que realmente precisamos passar por coisas inesperadas e muito ruins para mais a frente nos sentirmos inteiros e livres.  A busca por aventura e coisas novas estar sempre ali presente e a facilidade com que temos de nos aborrecer, de não estarmos satisfeitos com o que conseguimos, é inacreditável, nos entediamos com pouco, é como se tivéssemos que estar sempre em movimento, sempre em combustão para não cair no abismo e rotina.

Pontos negativos:

  • O único ponto negativo que tive, foi com a personagem Linda.  Ela tinha uma visão da vida muito distante da minha realidade e isso acabou atrapalhando a minha relação com ela, vamos dizer assim. Ela era uma mulher muito desencantada com a vida, me pareceu ser bem pessimista e muito contraditória também, talvez seja só minha percepção . Em boa parte, em minha opinião os motivos dela não eram bons o suficiente para justificar algumas coisas que ela pensava da vida e família dela. Não estou dizendo que é errado ser assim, Linda era uma ótima personagem e muito louca também. Vou parando por aqui assim mesmo, deve ter faltado alguma coisa, fica a curiosidade de vocês achar o que falta. 

Até a próxima!! 

Classificação: Modelo1-4

Comentários do Facebook
Resenha: Não se apega, não – Isabela Freitas
Resenha: Carta de Amor aos Mortos – Ava Dellaira
Resenha: Talvez não tenha criança no céu – Davi Boaventura

Blue Captcha Image
Atualizar

*

3 comentários
  • Vitor Dilly

    Oooiii!

    Cá estou para compartilhar contigo minha opinião, sobre o livro e sua resenha – ambas me satisfizeram! Grato pela sugestão. 🙂

    Li o livro rapidamente e com gosto, por tratar-se de uma leitura leve, sem as invencionices dos meus livros preferidos. E mesmo não ingressando nos meus prediletos, dei uma boa nota no Skoob, um 4 estrelas, sinalizando que gostei. 🙂

    Sobre o enredo, você já mostrou tudo perfeitamente, e concordo com o que foi dito. Quanto aos movimentos de adultério, traição, tretas, sedes de vingança, a mim pareceu um conto de ficção científica e fantasia (pois não está dentro da minha realidade). Mas foi bom conhecer.

    Por isso, pulo para o final, e é aqui que vem o #SPOILER…heheh. O salto no abismo, o ato de coragem, a prova de amor… é você vendo as coisas de outra perspectiva, outros olhos, contemplando a Eternidade à sua frente. O Amor Próprio, antes de tudo, é o amor a si mesmo e ao outro. Era isso que a personagem da Linda não tinha, a que gerou tanta confusão na mente dela e na dos outros, fazendo-a trair e sair em busca de vingança.

    Só tiro uns pontinhos pois, em muitos momentos, parecia que estava lendo um daqueles livros de auto-ajuda, sabe? Além disso, no meu e-reader, não pareceram as divisões de capítulos- se é que o livro as têm – então li tudo quase que num fôlego só! heheh

    E, no outro ponto da escala, o que mais gostei foram as referências à vida de Mary Shelley, a autora que tenho entre as minhas preferidas, criadora do Frankenstein. Outra coisa que me identifiquei foram umas citações ao xamanismo.

    Diante disso, quero conhecer outras obras do Paulo Coelho, o Paul Habbit, um autor que não conhecia. Nunca li nada dele antes de Adultério…

    Agora conheço e quero conhecer mais, de preferência as obras que são seus "carros-chefe", através dos quais ele ficou conhecido mundialmente. Podes sugerir, ficarei bem feliz de ouvir cada recomendação sua. 🙂

    Grato pela resenha, e grato pelo espaço.
    Sinto-me em casa aqui, como um segundo Lar.
    😉

    Responder
    • Ianca

      Oii Victor!
      Que bom que tenha gostado, quando li pela primeira vez adorei, quando li pela segunda não sei já gostava tanto assim, deixei de gostar de vários livros por isso, também pude entender com mais clareza outros que não foram meus preferidos. Não sei se esse método é bom então..
      Concordo com você! Sobre a divisão de capítulos, se não me engano tem sim! Sei bem como é ler desse jeito.
      Sobre xamanismo, você se interessa nessas coisas? Pq eu gosto muito!
      Paulo Coelho escreveu esse livro interagindo com mais de mil internautas, abordando vários temas como depressão, infidelidade, decepção, amor-próprio como você observou, ou seja tudo baseado em histórias reais e não de uma pessoa só, gosto muito quando os autores escrevem com essa iniciativa.
      Olha você poderia ler.. Onze minutos, O alquimista, Maktub, outro livro muito bom que me recordo é Na margem do rio Piedra eu sentei e chorei.
      Tem vários ainda que pretendo ler, mas confio nele e acho que todos devem ser bons!
      Eu que agradeço! Esse é um dos objetivos do blog que todos se sintam em casa!

      Responder
      • Vitor Dilly

        Ooii Ianca!

        É sem "c". Tudo bem, tá perdoada. hehe

        Acho que lerei o Alquimista. É um dos mais conhecidos dele, se não me engano… E gosto desses assuntos esotéricos, místicos, misteriosos, como alquimia e xamanismo (que legal que você também tem interesse e curte). Ás vezes eu misturo as doutrinas, e invento coisas novas, heheh, como "o casamento alquímico da alma-pássaro", por exemplo. Alquimia + xamanismo… Enfim, a criatividade humana permite essas fusões, não é mesmo? E como eu tenho um compromisso com a fantasia…tá valendo né! Tudo para tentar compreender essa nossa jornada na vida terrena. 🙂
        Grande abraço!

        Responder